Ponto e vírgula

ponto-e-virgula_p2
imagem: Cassiano Rodka

por Clarice Casado

“A gente gostava das palavras quando elas perturbavam
o sentido normal das ideias.
Porque a gente também sabia que só os absurdos
enriquecem a poesia.”
(Manoel de Barros em Menino do Mato)

Para
Espera
Respira
Observa:
nem todas as pausas do mundo
cabem neste espaço entre o que se sabe
e o que a mente se põe a criar.
Descansa as angústias,
deixa que as próximas marés levem o que restou de ti.
Não subestimes o que é incerto: é o que te empurra, te faz vibrar.
Vive com o que não sabes, de modo que isso te auxilie a saber.
Desconstrói os paradigmas: o poeta só é poeta quando vive fora da curva.
Não te curva: que todos os teus descompassos sirvam como alento.
Que todos os erros sirvam como acerto,
e que todas as certezas se traduzam nas incertezas que te farão entender o sentido de tudo.
Nas entrelinhas estão as respostas, e ainda assim elas conseguem se fantasiar de perguntas.
Sente o ritmo do teu pensamento, e conduz-te ao que te faz sentir mais confortável.
Nem todos os destinos são os mais óbvios, nada pode ser controlado,
e é justo nisso que reside a delícia de ser.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s