O infinito

infinito.jpg
imagem: Carla Lund

por Marcella Marx

Ao meu avô Vasco, herói.

O infinito como eu o imaginava era água transbordando, era o som da palavra – n ã o. Era aquele azul céu de dia sem nuvem, era a criança ao olhar para seus avós e neles reconhecer sua fortaleza.
Mas o infinito é chuva que cessa e recomeça, pra poder novamente cessar,
é o sim que sempre espera o não e dele absorve toda a sua amplitude. É a ausência de céu (como eu o imaginava – claro) para que das nuvens possa surgir o sol (mesmo que apenas como um raio) e assim marcar a passagem dos avós.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s