A praia

apraia_p2
imagem: Cassiano Rodka

por Isabel Dall’Agnol

Eis que nos quedamos
em retratos.
Escritos.
Regalos.
Lembranças.

Quisera contar,
em pensamento,
o silêncio dos meus lábios.

E acreditarias, se eu dissesse,
que sigo buscando teus olhos
pela noite?

E que tua ausência,
presente, alimenta
cada face do meu ser?

Não há espaço
que não transborde.
Não há tempo
que não esgote.
Não há sonho
que não acorde.

Tua parte que
sobrevive em mim,
é a mesma que
vive em ti.

Minha parte
desagarrada,
é a mesma que
te agarra.

Habito tua essência,
que mora em mim.

Habitas minha quimera,
que pertence a ti.

Minha companheira
desacompanhada,
o que te prende
me solta.

Eterna temporada.
Jamais namorada.

Talvez, algum dia,
quando este velho
adormecer,
desperte ao teu lado…

Onde o rio beija a praia.
O verde toca a nossa pele.
O sorriso enche a tua boca.
O brilho exibe a minha mania.
E o nosso universo perpetua em paz.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s