Cantiguinha angustiada para Drummond

Barquinho Drummond_P2.jpg
imagem: Cassiano Rodka

por Clarice Casado

Não pertenço mais a lugar algum.
Lendo os versos de Drummond, tenho mais certeza ainda.
Sou poeta?
A dúvida me assola.
Me arrasa.
Somente as ideias, nada além.
Faço barquinhos de papel para me distrair.
Faço poemas em barquinhos para abstrair.
Tento não escrever sobre o amor e a morte.
Nunca consigo.

Drummond disse que é preciso permanecer bêbado.
Como alguém pode ser tão poeta?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s