Aprendiz de fada madrinha

Aprendiz de fada madrinha_cinza_P2.jpg
imagem: Cassiano Rodka

por Clarice Casado

Mais um para a Belzinha,
que comigo divide a angústia
de sermos nós.

“Não sou escravo de ninguém
Ninguém, senhor do meu domínio
Sei o que devo defender
E, por valor eu tenho
e temo o que agora se desfaz.”

(“Metal Contra as Nuvens”, Legião Urbana).

Quisera ver minha alma traduzida,
reduzida a um poema infinito, por ti desenhado.
Das tuas ideias, não faço só poesia:
invento verdadeiros tratados
sobre as gentes e os sentidos da existência.
Das nossas mentes confusas,
angustiadas, acabo tirando só boas lições.
Das nossas perguntas aflitas, cheias de poesia e filosofices, retiro somente o melhor: perfeito sumo.
Das manhas e lágrimas, brotam certezas incertas, e ilusões muito lúcidas.
Dos desencontros e ausências, nascem cartas e conversas: nosso alento nas tormentas internas.
Dos mundos que criamos sem dizer, surgem narrativas de medo e melancolia, que se transformam
em escritos, em poemas, em verdades disfarçadas de versos corajosos.
Das nossas semelhanças – nas falas, nos gostos, nos medos, nas angústias, nas dúvidas, nas doces melodias, nas inexatidões, nos choros mansos, nos feitiços e magias – de tudo o que nos resume, enfim,
cara afilhada,
o que me nutre,
é a certeza perene de te ter comigo,
nos momentos em que comigo,
sozinha, não consigo estar.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s