A ampla paleta de sons do R.E.M.

r-e-m-_-_collapse_into_now

por Cassiano Rodka

Há 20 anos, o R.E.M. lançava seu trabalho mais conhecido. O disco “Out of Time” foi um dos grandes destaques de 1991, emplacando hits com as canções “Radio Song”, “Near Wild Heaven”, “Shiny Happy People” e “Losing My Religion”, que tornou-se seu maior sucesso até hoje. De lá para cá, a banda indie formada na pequena cidade de Athens (Georgia, EUA) transformou-se em um dos maiores grupos de rock do planeta.

Duas décadas depois de arrebatar as rádios do mundo inteiro, o R.E.M. lançou este ano seu 15º trabalho de estúdio. “Collapse into Now” é um álbum diversificado onde a banda mostra as várias facetas do som que eles criaram, adicionando pitadas de influências contemporâneas. É o caso da faixa “Oh My Heart”, que remete ao som de bandas como Arcade Fire e Beirut – que, por sua vez, não existiriam sem o R.E.M..

Se “Accelerate” revisitava o peso de “Monster”, o disco “Collapse into Now” é uma volta às experimentações de “New Adventures in Hi-Fi”, exibindo a amplitude sonora que a banda conquistou ao longo de sua carreira. O disco parece reverenciar o passado ao trazer de volta alguns ícones de trabalhos anteriores: o bandolim de Peter Buck, que moldava a sonoridade peculiar de “Out of Time”, volta a ganhar destaque nas faixas e a cantora Patti Smith, que abrilhantou o single de 1996 “E-bow the Letter”, divide mais uma vez os vocais com Michael Stipe na belíssima “Blue”. As participações ilustres do álbum incluem ainda os vocais de Eddie Vedder na balada “It Happened Today” e da loucona Peaches na excelente rocker “Alligator_Aviator_Autopilot_Antimatter”.

Para divulgar o disco, a banda decidiu não fazer shows, visto que o R.E.M. anda na estrada direto há muitos anos. Assim, nesta era dominada pelo YouTube, a opção escolhida foi a de criar videoclipes para cada uma das 12 canções de “Collapse into Now”, que serão lançados aos poucos durante o ano. Dentre os diretores dos vídeos, estão o vocalista Michael Stipe e sua irmã Lynda, o ator de “127 Horas” James Franco, a diretora de “Nowhere Boy” Sam Taylor-Wood e o veterano James Herbert, que já dirigiu 10 clipes clássicos da banda, incluindo “It’s the End of the World as We Know It (And I Feel Fine)”. Nove deles já estão disponíveis, dos quais selecionei os meus quatro preferidos logo abaixo.

Em tempo: nesta sexta-feira, 1º de julho, rola a edição especial R.E.M. da 999, minha festa anos 90 aqui em Porto Alegre. Celebrando os 20 anos do “Out of Time”, eu e o Claus receberemos os DJs Melly e Fabs para uma noite recheada com as melhores músicas da carreira da banda. Apareçam!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s