O Vencedor (The Fighter, David Russell, 2010)

The Fighter 01.jpg

por Pedro Cunha

SETE INDICAÇÕES:

Melhor Filme

Melhor Diretor (David Russell)

Melhor Edição

Melhor Ator Coadjuvante (Christian Bale)

Melhor Atriz Coadjuvante (Amy Adams)

Melhor Atriz Coadjuvante (Melissa Leo)

Melhor Roteiro Original

“O Vencedor” é um filme sobre boxe. Os filmes sobre esse esporte são um subgênero relativamente importante em Hollywood e costumam fazer boas bilheterias. Por vezes também bons filmes, como o clássico “Touro Indomável” (Raging Bull, Martin Scorsese, 1980) e o mais recente “Menina de Ouro” (Million Dollar Baby, Clint Eastwood, 2004). A propósito o filme de Scorsese é melhor do que o de Eastwood, mas perdeu o Oscar para “Gente Como a Gente” (Ordinary People, Robert Redford, 1980). Já o de Eastwood venceu a estatueta, derrotando o favorito “O Aviador” (The Aviator, 2004) de… Scorsese. O ítalo-nova-iorquino definitivamente não tem sorte com boxe.

Boxe e Oscar à parte, “O Vencedor” conta a história real de Micky Ward, boxeador norte-americano que tardiamente se tornou campeão mundial. Micky teve origem numa família pobre no interior dos EUA e desde a infância teve como modelo seu meio-irmão, Dicky Eklund, ex-boxeador que teve como grande louro da carreira ter disputado (e perdido) uma luta contra “Sugar” Ray Leonard, histórico campeão de boxe. Dicky é o treinador de Micky e sua mãe, Alice Ward, faz o papel de empresária.  Os problemas pessoas de Dicky e a falta de tino de Alice afundam a carreira de Micky, que na maior parte das suas lutas era utilizado como “trampolim” por outros boxeadores, que procuravam lutas fáceis para subir nos rankings e ganhar cotas maiores. Uma derrota vexaminosa faz com que Micky pense seriamente em largar o boxe e continuar no seu emprego de pavimentador de ruas, mas ele recebe um novo estímulo poderoso ao envolver-se com Charlene Fleming, que torna-se sua namorada. A decisão de Micky e de seu pai de arranjar um novo empresário, com apoio de Charlene, apesar de deixar a mãe/empresária bastante contrariada, faz com que Micky consiga algumas lutas que era capaz de ganhar. A prisão de seu irmão em função de seus problemas pessoais acaba ajudando também, uma vez que agora Micky conseguia tranquilidade e regularidade para treinar. Além disso, para várias pessoas, ele passava a ser o centro das atenções ao invés de seu irmão. Lidar com a mágoa da mãe (e das váááárias irmãs) tendo o auxílio e a confiança da nova namorada, do pai e do treinador tornava-se mais fácil. A ascensão de Micky Ward começa a ser posta em cheque quando, às vésperas da improvável luta pelo título na qual ele chegou, seu irmão é solto da cadeia e quer voltar a treiná-lo. Aqui o filme chega na sua encruzilhada: Micky deve voltar aos caprichos da mãe e do irmão problemático ou dar as costas às pessoas que o apoiaram e acreditaram nele quando nem ele acreditava mais?

the-fighter-02
Mark Wahlberg é Micky Ward e Christian Bale é Ricky Deklund

“O Vencedor” é um título menos apropriado que o original em inglês, que poderia ser traduzido como o lutador e poderia ser uma chave tanto para Micky, o protagonista, quanto para seu irmão Dicky. Começando pelo que mais se destaca no filme, a atuação de Christian Bale como Dicky é impressionante. Bale prova que é mesmo um dos grandes atores da atualidade e sua transformação física para viver Dicky Eklund assusta. É um ator meticuloso e que constrói seu personagem a partir dos pequenos detalhes: cacoetes, expressões faciais, pequenos gestos. Dicky Eklund não seria um personagem difícil de fazer. Difícil é fazê-lo da maneira como Bale fez, sem cair em estereótipos e exageros. Bale pinta, junto com Geoffrey Rush, como um dos favoritos ao Oscar de coadjuvante. E se levar o prêmio não será sem merecimento, numa carreira que já está polvilhada de bons trabalhos como na série Batman (Batman Begins, 2005; e The Dark Knight, 2008, ambos de Christopher Nolan), em “O Grande Truque” (The Prestige, Christopher Nolan, 2006) e em “Psicopata Americano” (American Psycho, Mary Harron, 2000). Falar mais sobre o trabalho de Nolan (e há bastante mais a ser dito) pode estragar a trama, para aqueles que ainda não viram o filme.

Além de Bale, destacam-se as atuações de Amy Adams, como Charlene, e Melissa Leo, como Alice. A namorada e a mãe de Micky Ward disputam emocionalmente o “controle” do rapaz e as duas atrizes, com atuações sólidas e bem diferentes, brilham nos papeis. Se eu tivesse que escolher Melissa Leo levava a estatueta (até esse momento ainda não vi Bonhan-Carter, uma das minhas atrizes preferidas, em “O Discurso do Rei”).

the-fighter-03the-fighter-04
Melissa Leo ajuda a levar o personagem de Wahlberg ao fundo do poço. Amy Adams ajuda a resgatá-lo

Mark Wahlberg encarna Micky Ward com uma contenção não só adequada como necessária: para que os frenéticos personagens de Melissa Leo e Christian Bale possam aparecer Wahlberg teve que fazer um Micky discreto, esmagado pela pressão de ser o “irmãozinho” de Dicky e a única esperança da família toda (que não é pequena) de tirar o pé da lama. A crítica, na minha opinião, não tem dado ao trabalho de Wahlberg nesse filme o reconhecimento que ele merece.

Russell, o diretor, mostra a sua visão na história logo na primeira cena. Enquanto Micky, de costas, trabalha, o foco todo fica em Dicky. Teoricamente ele está ali também para trabalhar, mas ele só está junto, falando sobre os velhos tempos e sobre sua luta contra “Sugar” Ray Leonard. Ele cumprimenta todas as pessoas na rua, todos são simpáticos com ele, todos parecem gostar dele. Mas quem está ali dando duro, trabalhando e não chamando a atenção é Micky. A cena de abertura descreve, portanto, boa parte do que é o filme além de ser um filme de boxe. Até porque tratando-se de um filme de boxe, “O Vencedor” não é mais do que um filme comum, uma história de superação. É na relação entre a família, os irmãos e os amigos que “O Vencedor” se torna um bom filme.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s