Layla

layla
imagem: Clarice Casado

por Clarice Casado

“Layla, you’ve got me on my knees.”

Eric Clapton

A coisa engraçada sobre cachorros é que eles são incondicionalmente capazes de dar amor. Isso é apenas uma constatação à qual foi difícil eu chegar.

Não sou uma (como diz-se em inglês) dog person (essa expressão é praticamente intraduzível). Isso quer dizer que efetivamente não sou “chegada” a cachorros. Hoje em dia nem posso dizer que não gosto deles, não é nada disso. Não tenho nada contra a raça canina. Só não me agradam as atitudes habituais dos cães: latir, pular, mordiscar chinelos e roupas, cheirar tudo o que veem pela frente.

Talvez isso esteja mudando. Isso, o fato de eu “não ser chegada” a cães. No último dia das Mães, me convenceram, aqui em casa, a ter um cachorrinho. Entreguei-me. E veio a Layla. Como na belíssima canção de Eric Clapton. Meu marido batizou-a, acho que para me fazer feliz, porque Layla é a minha canção preferida desde os quinze anos (eu, uma beatlemaníaca! Sorry, Liverpool mates…!).

O fato é que tenho que admitir que a gorducha Layla, uma buldogue inglesa de cinco quilos, está mudando minha imutável opinião sobre os caninos. Layla late, mas pouquíssimo; cheira quase nada, até tenta mordiscar os meus chinelos, mas na terceira tentativa pára, porque eu a ignoro, e o principal: não pula em mim. E nem em ninguém. Mesmo porque seu “corpinho” avantajado não permitiria… Jamais pula em mim, o que me deixa mais do que aliviada – e honrada! Respeita-me, a pequena cadela. Detesto essa palavra. Porque no Brasil ela tem, também, conotação pejorativa.

Layla, little darling, não te chamarei de “cadela”, de jeito nenhum. Layla é a nossa educadíssima “cachorrinha”. E acho que sempre será, mesmo quando estiver com os vinte e cinco quilos que espera-se que ela vá ter…

Virginia Woolf escreveu sobre o cocker spaniel Flush, Graciliano Ramos imortalizou a cachorra Baleia e seu triste fim na literatura brasileira, e mais recentemente o jornalista norte-americano John Grogan mostrou ao mundo todo a sua vida com o trapalhão Marley.

Hoje, portanto, resolvi dedicar algumas linhas para a pequena e calma Layla, para quem eu canto Layla todas as noites, e que faz tudo no lugar certo, senta ao nosso lado quietinha, late pouco, respeita nossos móveis, recolhe-se sozinha para dormir, o que faz durante a noite toda, sem chorar, ouvindo a rádio CBN. É, afinal, uma verdadeira lady inglesa. Nada menos se poderia esperar de alguém com sangue britânico.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s