O carinha e o cão

carinhaeocao
imagem: Cassiano Rodka

por Cassiano Rodka

Ao Fabs

A foto era assim: tinha ele e um cachorro. Ele estava sentado nos degraus de uma escada e segurava uma das patas do cão. Era a quinta ou sexta imagem que eu via dele, mas, de alguma forma, foi ali que o enxerguei pela primeira vez. Sem o sorriso preparado da número 1 ou a pose ensaiada da número 3. Não tinha gel ou camisa bem passada. Era um carinha sentado com o seu cão no pátio de sua casa. Ao seu redor, não havia os pôsteres de super-heróis da número 4, nem os CDs de rock inglês bem posicionados na composição da número 2. Ele e o cachorro eram emoldurados por grandes vasos com plantas e pela sombra das grades de cima do muro, que deitavam sua silhueta nas paredes amarelas da casa. Não que algum deles percebesse qualquer uma dessas coisas. O cão amarrava sua atenção no afago que devolvia ao dono. Ele, por sua vez, mantinha seus olhos baixos em um doce zelo que abraçava, taciturno, o cão. Na fidelidade do toque, revelava-se a longa parceria. Na melancolia do leve sorriso, desenhava-se uma velada lacuna. Uma vida atribulada se espalhava na barba por fazer e se aprofundava secretamente em algumas cicatrizes. Na busca por conforto, encontrava-se (ou procurava-se) sentado nos últimos degraus daquela escada. Distraidamente equilibrado entre o intimidante início de uma descida e o triunfante final de uma subida, só havia ele ali. E o cão. E foi assim que eu conheci o cara.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s