A maré

amare

por Cassiano Rodka

Sinto tua presença como a maré.
No vento que levanta a areia, nas ondinhas que batem no pé. No salgado vai-e-vem das águas, és tu borbulhante. Impreciso, irritante. Improvável, mas constante. E é nessa brincadeira que me perco e caminho cambaleante. E afundo o pé na areia molhada só para te ver fugindo pelos meus dedos. Que medo tatuíra é esse, meu Deus? Que vontade cachalote é essa que te surge e que, de tão imensa, só poderias mesmo esconder aqui? Esse desejo que está na espuma e molha meus tornozelos e amarra-se à minha pele em um inevitável convite ao mergulho. Caminho em direção às águas ignorando o empurrão das ondas. E vou deixando que, por completo e de mansinho, a tua maré me abrace.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s