Incessante

incessante

por Marcella Marx

Todas as vezes que me escuto,
não ouço a revoada.
Quando me perco,
pousada sobre meu corpo nu,
agride a pele, atiça a mente, invoca o óbvio.
De golpe é expelida,
mas sempre retorna e pousa
e agride os nervos.
Demasiado humano,
infalível inseto.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s