Faixa de pedestres

faixadepedestres

por Cassiano Rodka

Pegou a mão dela com firmeza e a olhou nos olhos até vê-la sorrir.
Observou o amarelo dar lugar ao vermelho. À esquerda, um fusca cinza freava; à direita, o hospital ainda em reformas. No ar, as badaladas do sino da igreja imploravam por fiéis. O pé direito antecedeu o esquerdo. Por instinto, não superstição. Os cabelos dela dançavam ao vento. Uma buzina misturou-se à sexta badalada. O som surdo de um Ford chocando-se com minha perna esquerda acompanhou a sétima. Meu corpo golpeou o chão durante a oitava. Por debaixo de um carro, a vi deitada sobre a faixa de pedestres. Estendi minha mão na direção dela. Ela olhou para a direita e me encontrou. Assustou-se com o vermelho que tingia minha camisa amarela. Balancei a cabeça. Não devia se preocupar. Apontei com os olhos para a minha mão esquerda. Ela compreendeu. Por debaixo do carro, estendeu seu braço direito tremendo. Senti o seu toque e segurei seus dedos pequeninos com firmeza. Fechei as pálpebras e, por trás dos olhos molhados, a guardei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s