Nós

nos

por Cassiano Rodka

A eles

Acordes abafados de guitarra faziam a trilha do meu arrependimento.
A porta se abriu e a anfitriã nos recebeu simpática. Eu mal a conhecia e não ia com a cara dela, mas meus amigos me convenceram a vir. Não costumo frequentar festas com pessoas da minha idade, sempre preferi sair com gente mais velha. Mas lá estava eu cumprimentando a gurizada. Casa lotada, música animada, eu precisando de um drinque. Parei procurando o bar e meu olhar pousou em uma sacada. Eu olhei para ela e ele olhou para mim. Mas me fiz de louca e continuei conversando com o Mário como se não tivesse percebido ele chegando. De imediato, um nervosismo tomou conta de mim. Minha mente não se concentrava em mais nada do que o Mário dizia, meus pensamentos se dedicavam a montar uma cena onde eu via ele se aproximar de mim. Discretamente, meu olhar passou a cuidar os movimentos dele. Foi até o bar e peguei um Samba. Se vou ter que ficar a noite inteira nesta casa, é bom eu começar a beber. Voltei a olhar a moça na sacada. Via ela agora de perfil. E era um perfil hipnótico, nem sei quanto tempo fiquei delineando as curvas do rosto dela. As sílabas gritadas do meu nome interromperam o transe. Meus amigos me acenavam e fui com eles para perto da sacada. Reconheci o Mário e fui cumprimentá-lo, sem demonstrar muito interesse nela, como se eu não percebesse que ele estava louco para se apresentar a mim. Me olhou nos olhos – e que olhos ela tinha! – e pronunciou com orgulho o seu nome, como se aquele fosse o seu título. Ela disse-me o seu com uma delicadeza tímida que despiu suavemente o meu arrependimento. Aos poucos, nossos olhares foram se conhecendo, com aquela naturalidade que, de tão natural, estranha-se. Ela mencionou um curso onde vi ele pela primeira vez e o prendi na mente para só então libertá-lo. Torná-lo real. Vê-la comigo. Era tão certo. Era tão simples. Um breve silêncio na sacada foi logo cortado por uma música que nos convidou a dançar. Concedi a dança. Abracei ela. Ele me enlaçou nos braços. Ela me amarrou nos cílios. Eu era ele. Ela era eu. E, daquele momento em diante, éramos nós.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s