Gabriel e Mario

gabrielemario

por Clarice Casado

Gabriel e Mario eram amigos.
Latino-americanos.
Dois grandes amigos que gostavam de escrever.
Conheceram-se por conta do ofício.
Escreveram muitas coisas lindas, diferentes, fantásticas, chocantes, sensíveis, exóticas, comentadas, recomendadas.
Marcaram épocas.
E ainda marcam.
Leituras obrigatórias.
Na América Latina e no Mundo.
Eram melhores amigos.
(Entre Amigos).
(Dicionário Amoroso da América Latina).
Um dia, há trinta e um anos, em um acesso de fúria, Mario feriu Gabriel. Socou-lhe o olho, que ficou roxo, roxo, marcado.
Foi abatido em público, em meio à uma première de um filme no México.
Marca deixada por um homem que sentia-se traído pelo melhor amigo.
(O Amor nos Tempos do Cólera).
Causa: uma mulher.
A mulher de Mario.
(A Linguagem da Paixão).
Consequência: final de uma amizade forte de anos e anos e anos.
Diz-se que nunca mais se falaram.
Gabriel quis documentar o fato (ou pós-fato).
Pediu a outro amigo que tirasse uma foto dele com o olho ferido.
E tirou duas, uma sorrindo, outra sério: largo bigode e olho esquerdo muito roxo.
(Viver para Contar).
(A Verdade entre as Mentiras).
Alguns anos depois, Gabriel ganhou o Prêmio Nobel de Literatura por seu Cem Anos de Solidão e Mario concorreu à presidência da República no Peru.
Permanecem escrevendo.
Desentendimentos à parte, podemos ter o imenso prazer de ainda ler suas grandes obras.
(Memória de minhas Putas Tristes).
(Travessuras da Menina Má).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s